AO VIVO

Notícias de Última Hora

Embraer e Boeing fecham termos para criação de empresa estimada em US$ 5,3 bi

A Embraer é a 3ª maior fabricante mundial de aviões comerciais - Agência Brasil
A Embraer e a norte-americana Boeing anunciaram nesta 2ª feira (17.dez.2018) que acordaram os termos para criação de uma joint venture, ou seja, uma nova empresa de aviação comercial no país.


O arranjo cria uma empresa da ordem de US$ 5,26 bilhões. Inicialmente, estimava-se US$ 4,75 bilhões. A empresa dos Estados Unidos pagará US$ 4,2 bilhões para ter controle de 80% das ações da nova empresa.

A parceria depende da aprovação do governo brasileiro que possui uma golden share na Embraer, que permite aprovar ou vetar temas estratégicos para a empresa. Depois desse processo, a fusão será submetida à aprovação dos acionistas e de autoridades regulatórias.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, já declarou ser a favor da negociação. “A fusão da Embraer com a Boeing continua sem problema algum e sim (vou avalizar)”, afirmou no início de novembro.



O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, comentou a fusão nesta 2ª feira (17.dez.2018). Segundo o economista, que fará parte do próximo governo, a análise da operação pelo governo pode ser concluída no início do mandato do militar da reserva.

“Há 1 trâmite burocrático, eles tem que pedir 1 posicionamento do governo em relação à golden share e aí o governo tem que analisar. Isso não necessariamente é feito em uma ou duas semanas. Talvez seja 1 processo que comece agora e termine no início do próximo governo”, afirmou.

Segundo comunicado da empresa brasileira, a joint venture será liderada por uma equipe de executivos sediada no Brasil, incluindo 1 presidente e CEO. O controle operacional e de gestão, porém, ficarão por conta da Boeing. “A Embraer terá poder de decisão para alguns temas estratégicos, como a transferência das operações do Brasil”, diz o texto.

O material aborda ainda a criação de uma 2ª joint venture exclusivamente para o avião multimissão KC-390. A intenção é “promover e desenvolver novos mercados” para o produto. Neste acordo, a Embraer terá 51% de participação e a Boeing, os 49%.

Fonte: Poder 360