AO VIVO

Notícias de Última Hora

Uma geração de crianças que crescem sem mães na Venezuela


Crise migratória na Venezuela proporciona uma geração de crianças que crescem sem as mães no país sul-americano.

Como milhares de outros refugiados venezuelanos, Emili Espinoza, 28 anos, fez uma escolha angustiante há seis meses: deixar seus três filhos.

Ela não tinha dinheiro para trazê-los e não tinha ideia de que problemas poderia enfrentar na Colômbia. Então ela os deixou com seu irmão na esperança de ganhar o suficiente para alimentá-los e, com o tempo, se reunir com eles.


É um padrão que ecoa outras migrações em todo o mundo, da América Central, Caribe e Ásia: chefes de família estão fugindo primeiro, com esperanças, às vezes frustradas, de que suas famílias possam em breve se juntar a eles.

O resultado é uma alteração profunda das famílias, com consequências por vezes devastadoras.

Estima-se que 2,3 milhões de venezuelanos tenham fugido da hiperinflação, da falta de alimentos e de medicamentos nos últimos três anos, de acordo com as Nações Unidas.

Outra pesquisa menor do Comitê Internacional de Resgate (CIR), um grupo de ajuda humanitária, descobriu que 52% dos 312 venezuelanos recém-chegados à Colômbia relataram estar separados de pelo menos uma criança com quem costumavam viver,


Com informações do UOL