AO VIVO

Notícias de Última Hora

Conflito armado na região do Assurini deixa dois mortos

Um conflito armado em um acampamento de agricultores na Vila do Itatá, na região do Assurini, que fica na divisa dos municípios de Altamira, Anapu e Senador José Porfírio, no sudoeste do Pará, deixou dois mortos e pelo menos mais três pessoas feridas. O tiroteio aconteceu na tarde desta quarta-feira, 03 de abril. Entre os mortos estava o sargento da PM, Valdenilson Rodrigues da Silva, de 54 anos.


Segundo informações, o conflito começou depois da tentativa de uma reintegração de posse ilegal, mas a Polícia informou que ainda está apurando os detalhes do caso. Testemunhas afirmaram que os agricultores não tiveram tempo de reagir e que entre as vítimas estão quatro agricultores, que ainda não foram identificados.


Um gabinete de crise foi instalado reunindo agentes da Delegacia de Polícia de Interior, o Chefe do Estado Maior e demais gestores do Sistema de Segurança Pública do Pará (Sisp).

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública (Segup) informou que um bando armado e encapuzado invadiu uma propriedade e que cerca de seis homens fizeram vários disparos em direção a uma residência. Na troca de tiros cinco pessoas foram atingidas. Os feridos foram levados para unidades de saúde de Altamira. O estado de saúde deles ainda não foi confirmado.

A Segup informou ainda que guarnições da PM fizeram escolta no local e que a Delegacia de Conflitos Agrários (Deca) está investigando o caso.

Sobre a Morte do Sargento da PM

As primeiras informações divulgadas pela Polícia sobre o caso foram sobre a morte do sargento Valdenilson. Ele pertencia ao efetivo do 4º Batalhão da PM, com sede no município de Marabá, e estava à disposição da Junta Militar de Saúde (IMS). Ele tinha 27 anos de serviço ativo.

Vladenilson estava ha 27 anos na PM. Foto: reprodução da internet.
A Polícia ainda está levantando informações sobre as circunstâncias do crime. O corpo do militar, segundo a PM, foi conduzido para o Núcleo de Altamira do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves.

Com informações do G1 Pará