Notícias de Última Hora

Em defesa da reforma, Tabata Amaral enfrenta seu partido e a velha esquerda

Tabata Amaral (PDT-SP) não entender como pode haver deputados contrários à reforma da Previdência


A jovem deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP), 25, não consegue entender aqueles que se posicionam contra a reforma da previdência, inclusive no seu partido, que fechou questão contra o projeto do governo Jair Bolsonaro. Ele disse sentir “uma tristeza muito grande” ao ver deputados e partidos contra a reforma.

A atitude corajosa da deputada por São Paulo contraria o presidente do PDT, Carlos Lupi, ex-ministro do governo Dilma Rousseff (PT). Frequentemente ele atua como dono do partido e costuma punir quem não segue suas ordens. O posicionamento de Tabata favorável à reforma, até como representante da renovação na Câmara, também tem provocado ataques de deputadas estridentes do PT e do PCdoB que representam o velho.


Tabata explicou ao Estadão por que não consegue entender a atitude dos que se opõem ao projeto de reforma. “Quem é progressista, quem tem a luta social como algo do sangue mesmo, como que essas pessoas não se posicionam contra a desigualdade que é perpetuada pela Previdência?”.

Ela apoia, mas faz reparos ao projeto, como mudanças no benefício assistencial para idosos de baixa renda, o BPC, na aposentadoria rural, na aposentadoria de professores (cuja maior crítica da parlamentar é a ausência de uma valorização da carreira, a exemplo da proposta dos militares) e o regime de capitalização que o governo quer criar para que os futuros trabalhadores tenham uma espécie de poupança individual para a aposentadoria.


Com informações do Diário do Poder