Notícias de Última Hora

Filho de Flordelis confessou que matou pai a mando de irmão, diz polícia

Transtornado, um irmão incriminou o outro e contou detalhes que estão auxiliando a polícia. Delegada diz que imagens mostram envolvido na cena do crime


A Polícia Civil do Rio de Janeiro aponta que Lucas dos Santos, de 18 anos, tramou a morte do pai adotivo, o pastor Anderson do Carmo, e foi um dos executores do assassinato ocorrido na madrugada de domingo. Segundo policiais da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), o jovem teria confessado que encomendou o crime junto com Flávio dos Santos Rodrigues, 38 anos, filho biológico da deputada federal Flordelis.


A motivação do assassinato seria uma traição de Anderson do Carmo, que estaria mantendo uma relação amorosa extraconjugal. No depoimento, após policiais mostrarem imagens de câmeras de segurança em que ele aparece na cena do crime, Lucas teria confessado o crime e acusado Flávio de ser um dos mandantes.

Lucas foi adotado pela deputada Flordelis e pelo pastor. O jovem foi preso quando prestava depoimento na Delegacia de Homicídios e, contra ele, havia um mandado de apreensão por tráfico de drogas quando ele ainda era menor de idade. Flávio tinha um mandado de prisão pendente por violência doméstica e foi preso durante o sepultamento do corpo de Anderson no cemitério Memorial de Nictheroy, no bairro Laranjal, em São Gonçalo.


O pastor Anderson, 42 anos, foi morto na madrugada de domingo, 16, atingido por 15 tiros na garagem de casa, em Pendotiba, Niterói. Os cachorros que guardavam a casa estavam dopados no momento do crime, disse a polícia. Os homens que invadiram a casa não levaram nada. O casal voltava de um evento de confraternização e teria sido seguido até em casa.

Segundo a deputada contou à polícia, depois que chegaram à residência, o marido voltou à garagem porque teria esquecido algo dentro do carro. A família ouviu o som dos disparos e desceu correndo. O pastor chegou a ser levado para o Hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Fonte: Conexão Política