Notícias de Última Hora

Avião com 43 pessoas fez pouso 'sem combustível' no Pará, diz Cenipa

Aeronave fazia trajeto entre cidade do Pará e Manaus
O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) divulgou informações sobre um avião que transportava 39 pessoas e quatro tripulantes e precisou fazer um pouco de emergência no último dia 16, no aeroporto de Itaituba, no sudoeste paraense, há cerca de 50 km do Parque Nacional da Amazônia. De acordo com o Cenipa, o avião da MAP Linhas Aéreas pousou com os motores paralisados por falta de combustível.

Curte nossa página no Facebook e fique informado!

A aeronave de prefixo PR-MPY, com capacidade para 68 passageiros fazia o voo entre a cidade paraense e Manaus, capital do Amazonas, um percurso de 480 km e pouco mais de uma hora de voo.

O avião decolou perto das 15h da cidade do Pará e ao se aproximar para pouso em Manaus, o aeroporto da capital amazonense foi fechado para priorizar uma emergência de outra aeronave. Com isso, os pilotos precisaram usar um aeroporto alternativo que, devido à distância, era o mesmo aeroporto de onde partiram. Um procedimento muito comum na aviação quando não é possível o pouso no aeroporto previsto.

Segundo dados do Cenipa, durante o procedimento de retorno, o avião teve uma falha no motor esquerdo, que chegou a parar de funcionar. O problema não impossibilita a aeronave, que tem dois motores, de continuar o voo. Os pilotos prosseguiram normalmente e ao pousar a aeronave no aeroporto de Itaituba, instantes após tocar o solo, o motor direito também parou de funcionar.

Dados preliminares teriam apontado que a falha nos motores foi a falta de combustível. Agora os técnicos do Cenipa tentam verificar se, após o pouso, ainda havia algum combustível nos tanques da aeronave, ou se ocorreu uma pane, por algum problema técnico, que impediu que o combustível chegasse até os motores.



Segundo as regras vigentes da aviação comercial, os aviões no país precisam ser abastecidos, antes da decolagem, para voar até o destino programado, ter uma reserva para um aeroporto alternativo e um extra para voar por mais 45 minutos.

A MAP Linhas Aéreas afirmou por meio de sua assessoria de imprensa que, "as investigações do Cenipa ainda estão em andamento e que acompanha todos os procedimentos" e que a empresa "ressalta ainda que opera dentro dos padrões de segurança estabelecidos pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), cumprindo todas as normas operacionais exigidas".


Com informações do portal R7