Notícias de Última Hora

Parlamentares da Flórida consideram proibir cirurgias de “mudança de sexo” para crianças

Imagem: Reprodução
Depois do estado americano de Dakota do Sul, agora um parlamentar da Flórida está propondo uma legislação que proíbe procedimentos de “mudança de sexo” para crianças.

A Flórida concordou em aceitar uma proposta apresentada pelo deputado estadual republicano, Anthony Sabatini. Seu projeto de lei tornaria crime para os médicos realizar cirurgias em crianças que as esterilizassem, alterassem fisicamente seus órgãos genitais ou injetassem os chamados “bloqueadores da puberdade”, de acordo com o The Blaze.

Ecoando os sentimentos do Dr. Paul McHugh, ilustre professor de Psiquiatria e Ciências Comportamentais da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, que no ano passado descreveu os tratamentos transexuais para crianças como “imprudentes e irresponsáveis”, disse Sabatini ao The Blaze que a lei é necessária porque tais procedimentos são semelhante à realização de “perigosas experiências sociais” em menores de idade.



O parlamentar republicano também apontou para o fato de que a grande maioria dos menores com disforia sexual não apresentam mais a disfunção ao continuar a transição para a idade adulta.

Em dezembro do ano passado, Dr. James Cantor, psicólogo clínico e sexólogo com sede em Toronto no Canadá, escreveu um artigo criticando a Academia Americana de Pediatria por endossar a “afirmação sexual”, a prática de abraçar as “identidades sexuais” desejadas de crianças pré-pubescentes com mudanças como pronomes, nomes e aparência. Em vez disso, ele afirmou que os médicos devem continuar o que é chamado de “espera vigilante“, evitando tomar medidas para manipular a identidade das crianças com disforia sexual, e simplesmente observar o que acontece ao longo do tempo.

“Houve cerca de uma dúzia de estudos com crianças que se apresentaram antes da puberdade como desejando viver a vida como o outro sexo”, disse Cantor à Quillette.

“E, estudo após estudo, foi unânime entre eles: a maioria dessas crianças deixa de querer fazer a transição pela puberdade. Quando a puberdade chega, a maioria se estabelece em seu sexo biológico”.

Além disso, Sabatini apontou o fato de que a pesquisa mostrou que o uso de bloqueadores da puberdade é perigoso para as crianças.



Um dos medicamentos mais comumente usados ​​para terapia hormonal transexual é o Lupron, que tem sido associado a problemas sérios no desenvolvimento ósseo. Em 2018, a Food and Drug Administration (FDA) recebeu 24.000 notificações de reações adversas ao Lupron. Além de causar possíveis problemas como a osteoporose, a droga também tem sido associada à depressão e à ansiedade.

Apesar dessas preocupações, a legislação de Sabatini foi rotulada como “anti-LGBTQ” pela mídia marrom e enfrentou forte oposição de seus colegas esquerdistas do Partido Democrata.

“Surpreendentemente”, disse Sabatini, “todo o Partido Democrata se tornou tão radical que agora defende a eliminação da puberdade por menores e a mudança cirúrgica de sexo para crianças – é incompreensível”.



Sabatini explicou ao The Blaze que não se vê como anti-gay porque sua proposta “não tem nada a ver com orientação sexual”, mas, em vez disso, concentra-se em impedir que alguns da indústria médica “lucrem enquanto permitem que sejam feitos experimentos em crianças que estão enfrentando problemas de identidade sexual”.