Notícias de Última Hora

General Mourão sobe o tom com ‘outros poderes’ e alerta para ‘usurpação das prerrogativas’ do Executivo

“Profusão de decisões de presidentes de outros Poderes, de juízes de todas as instâncias e de procuradores, que, sem deterem mandatos de autoridade executiva, intentam exercê-la”, diz Mourão

Imagem: Reprodução/AP
Em artigo intitulado “Limites e Responsabilidades, publicado nesta quinta-feira (14) no portal do governo, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, alerta para o “estrago institucional” que a pandemia de coronavírus etá causando no Brasil.

No texto, Mourão criticou o comportamento de autoridades que “esquecem que o Brasil não é uma confederação”.

“Governadores, magistrados e legisladores que esquecem que o Brasil não é uma confederação, mas uma federação, a forma de organização política criada pelos EUA em que o governo central não é um agente dos Estados que a constituem, é parte de um sistema federal que se estende por toda a União.”


Mourão também denunciou a “usurpação das prerrogativas do Poder Executivo”, com críticas diretas às interferências no poder do presidente da República, Jair Bolsonaro.

O vice-presidente alertou para a “profusão de decisões de presidentes de outros Poderes, de juízes de todas as instâncias e de procuradores, que, sem deterem mandatos de autoridade executiva, intentam exercê-la”.

Mourão enfatizou que a “situação grave, mas não insuperável, desde que haja um mínimo de sensibilidade das mais altas autoridades do País”.

Em seguida, o general apontou o efeito nocivo que as medidas restritivas impostas por governadores e prefeitos:

“Pela maneira desordenada como foram decretadas as medidas de isolamento social, a economia do País está paralisada, a ameaça de desorganização do sistema produtivo é real e as maiores quedas nas exportações brasileiras de janeiro a abril deste ano foram as da indústria de transformação, automobilística e aeronáutica, as que mais geram riqueza. Sem falar na catástrofe do desemprego que está no horizonte.”



Mourão acrescentou:

“Enquanto os países mais importantes do mundo se organizam para enfrentar a pandemia em todas as frentes, de saúde a produção e consumo, aqui, no Brasil, continuamos entregues a estatísticas seletivas, discórdia, corrupção e oportunismo.”

E completou:

“Há tempo para reverter o desastre. Basta que se respeitem os limites e as responsabilidades das autoridades legalmente constituídas.”

Com informações do site Renova Mídia