Notícias de Última Hora

Cientistas criam máscara que destrói o coronavírus em poucos segundos

Tecido é fabricado com nanofios de dióxido de titânio e pode destruir qualquer patógeno presente no ar, de acordo com pesquisadores suíços


Um grupo de pesquisadores suíços anunciou a criação de uma máscara que, quando aliada à luz ultravioleta, é capaz de destruir qualquer patógeno — incluindo o novo coronavírus. O estudo foi publicado na revista Advanced Functional Materials.

Para falar sobre a máscara criada na Suíça, é interessante compará-la primeiro às tradicionais. Os filtros de papel e tecido são úteis na prevenção da Covid-19 porque "capturam" o vírus presente no ar, impedindo que ele alcance as vias respiratórias. Contudo, uma limitação importante desse material é que ele não destrói os patógenos, e por isso precisa ser desinfetado a cada utilização.


O cientista László Forró, um dos autores da pesquisa, explica que as máscaras comuns recebem tratamento adequado no ambiente hospitalar, mas seu mau uso no cotidiano das cidades pode transformá-las inclusive em novas fontes de contaminação.

É importante destacar que, mesmo apresentando limitações, as máscaras são comprovadamente eficazes na prevenção da doença, e só representam risco quando utilizadas e descartadas de maneira incorreta.


Cientista utilizando a máscara desenvolvida na Suíça. Imagem: Swoxid
O material desenvolvido por Forró é inovador porque conta com nanofios de dióxido de titânio em sua composição. Sua estratégia para destruir os patógenos é baseada na característica oxidante dessa substância.

“Como nosso filtro é excepcionalmente bom em absorver umidade, ele pode reter gotículas que carregam vírus e bactérias”, explicou o pesquisador. "Isso cria um ambiente favorável para o processo de oxidação, que é desencadeado pela luz."


Funciona da seguinte forma:

O tecido absorve simultaneamente a umidade e os micróbios presentes no ar;


A luz ultravioleta converte a umidade retida nos nanofios em agentes oxidantes;


Um desses agentes é o peróxido de hidrogênio, que é capaz de destruir os patógenos "capturados" pela máscara.

A luz ultravioleta já vem sendo utilizada na esterilização de hospitais, supermercados e transportes públicos ao redor do mundo. As diferenças, aqui, são duas: primeiro, por sua aplicação em itens de proteção pessoal; segundo, por sua associação ao dióxido de titânio.

Viabilidade da máscara


Em testes realizados em laboratório, a máscara foi capaz de destruir partículas da bactéria E. coli e fitas de DNA em questão de segundos. De acordo com os cientistas, o tecido pode ser reutilizado até mil vezes.



Uma startup chamada Swoxid se interessou pela tecnologia e pretende começar a produzi-la em larga escala. A capacidade de fabricação do equipamento presente no laboratório é de até 200 m² de papel de filtro por semana, o suficiente para produzir até 80 mil máscaras por mês.

Com informações do Science Alert